Maioridade penal: Reduzir a idade para que?

Yolanda Polimeni

Muito se tem discutido acerca da redução da idade para a maioridade penal.
A pergunta que se impõe em minhas especulações, é para que?
Reduzir a violência? Reduzir a impunidade?

Não sejamos tolos. Os cárceres estão superlotados dando margem a constantes
motins dos quais resultam mortes, ferimentos graves, delinqüentes perigosos
foragidos. A violência não é reduzida.

Nada diferente ocorre nas FEBEN’s, entidades que visam recolher os menores
infratores, com o objetivo primordial de recuperá-los, reconduzindo-os saudáveis e
adaptados à convivência social, porém servem para aperfeiçoá-los na
criminalidade.

Reduzir a idade significa aumentar o número dos destinados aos presídios que já
não comportam os que para eles são encaminhados ou deveriam ser. Então o que
caberia ao Governo? Construir novos presídios? Seria uma alternativa, a meu ver
ruim. Ruim porque o dinheiro para isso seria aquele destinado à saúde pública que
está caótica, à educação que é de péssima qualidade, dentre outros serviços
essenciais à população.

Ruim também porque não acabaria com a impunidade. A impunidade que a
sociedade reclama e que deve ser combatida não é a da violência que nasce da
miséria das favelas, mas aquela que está nas entranhas dos Poderes
Constituídos. Os crimes de lesa-sociedade, aqueles desvios de verbas públicas
para o benefício de pessoas ou grupo de pessoas que nunca foram apurados nem
punidos.

Quantos escândalos podemos citar? Desvios de dinheiro da Previdência Social,
da SUDAN, os “anões do orçamento”, o “cuecão” dentre muitos outros praticados
pelos comedores de pizzas e que envergonham o povo brasileiro.
Será que reduzindo a idade da responsabilidade penal os jovens de classe média
alta que se divertiram queimando índio em Brasília ou mendigos em São Paulo
iriam para o xadrez? Foram para a FEBEN?

Não vou dizer se sou contra ou se sou a favor da redução da idade para a
maioridade penal. Quero propor que antes de se discutir esse tema, se discuta
políticas sociais sérias e efetivas para oferecer às camadas mais pobres da
sociedade uma escola onde crianças e jovens passem o dia inteiro, recebendo
alimentação, ensino de qualidade, incluindo-se na grade curricular esportes e
artes – não teríamos crianças nas ruas, nos sinais empunhando canivetes ou
cacos de vidro; que se equipem os hospitais públicos com instrumentos capazes
de atender bem a população, exigindo-se do corpo de funcionários, de atendentes
a médicos, compromisso com o trabalho e com o ser humano a ser atendido – não
haveria os revoltados que danificam o patrimônio público como forma de externar
sua indignação; política de combate à seca através da irrigação – Israel nos
oferece exemplo extraordinário; e combate ao tráfico de drogas por meio do
esclarecimento e conscientização acerca dos prejuízos que provocam, através de
programas específicos em rádio, televisão, jornais, revistas, enfim todos os meios
de comunicação; que se descubra por que os detentos conseguem controlar o
tráfico de dentro das prisões? Onde está o erro? Em que ponto do Poder Estatal
estão se apoiando para obter certas facilidades? Vamos discutir essa impunidade,
essa injustiça social agora.

Depois discutiremos sobre a redução da idade para a maioridade penal.

Autora: Yolanda Polimeni (PE)

Baixe o artigo em PDF aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *